Crescimento econômico deverá ser maior se conseguirmos limitar o aquecimento global

Já há conhecimento suficiente sobre a participação humana no aquecimento global, assim como já se sabe que as mudanças climáticas podem ocasionar danos irreversíveis às espécies e aos ecossistemas, reduzindo sua capacidade de fornecer bens e serviços à sociedade. O recente relatório especial do IPCC que analisa os impactos do aquecimento global de 1,5oC acima dos níveis pré-industriais e as possíveis trajetórias das emissões de gases de efeito estufa mundiais, fornece elementos que deveriam estimular o aumento do nível de ambição dos compromissos nacionais contidos no Acordo de Paris.  As reduções das emissões propostas no Acordo não são suficientes para manter a integridade climática, pois o aumento de temperatura seria superior a 30C. Tanto que já está previsto para 2020 uma nova rodada para que os países apresentem novas propostas de redução de suas emissões.

Para ficarmos no limite de 1,5oC, o investimento em tecnologias de baixo carbono deverá ser o dobro do que é atualmente e nas próximas duas décadas a exploração de combustíveis fósseis deverá ser um quarto da atual.  O aumento da temperatura ficando neste limite, reduzirá o impacto sobre a biodiversidade, que é essencial para a sobrevivência e o desenvolvimento das espécies e a provisão de inúmeros serviços ecossistêmicos necessários para nossa existência, como água e alimentos. Os benefícios em termos de custos de adaptação serão enormes.  Quanto maior for o nível de redução das emissões, ou seja, mitigação, menor será a necessidade de adaptação. Teremos que usar, de qualquer forma, as duas estratégias, porém o custo de mitigação é inferior ao da adaptação.

Leia completo em Projeto Colabora

bolsista fv chamada 3Fundo Verde Contrata Bolsista de Graduação para Atuar em Projeto de Planejamento Energético do Campus.

Requisitos:

  • Cursando graduação, a partir do 6° período, preferencialmente de engenharia elétrica;
  • Conhecimento sobre eficiência energética, redes de baixa e média tensão e geração renovável;
  • Dedicação de 20 horas semanais fornecendo suporte técnico ao Escritório de Projetos do Fundo Verde.

Atuação:

  • Levantamento de dados, elaboração de relatórios, suporte no desenvolvimento de projetos de geração e eficiência energética.

Dados da bolsa:

  • Duração: 4 meses, prorrogável;
  • Valor da bolsa: R$ 1050,00 (coppetec).

Como se candidatar:

O estudante deve enviar currículo lattes e histórico de graduação até o dia 13 de novembro para o e-mail  O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.  .

Os estudantes pré-selecionados serão entrevistados no dia 21 de novembro.

Chamada Boas práticas A3PO Ministério do Meio Ambiente (MMA) e o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (ONU Meio Ambiente) convidam órgãos públicos do Executivo, Legislativo e Judiciário, instituições de ensino e pesquisa, empresas públicas e privadas, cooperativas e organizações não governamentais a participarem desta chamada pública.

 Objetivo                                                                 
Identificar e divulgar iniciativas (práticas, projetos, programas e políticas) que apresentam resultados positivos concretos e que possam auxiliar prefeitos, secretários e outros gestores públicos dos 5.570 municípios brasileiros a implementarem programas de sustentabilidade nos seguintes temas:1. Uso racional da água 2. Uso racional da energia e eficiência energética 3. Tecnologia da informação aplicada à sustentabilidade 4. Tecnologia de equipamentos 5. Uso racional da madeira 6. Gestão de resíduos sólidos 7. Uso do papel 8. Qualidade de vida dos servidores 9. Mobilidade/transporte 10. Compras/licitações sustentáveis 11. Construções sustentáveis

Serão divulgadas 20 boas práticas por tema, que estarão disponíveis no site do programa Agenda Ambiental na Administração Pública (A3P) do MMA: http://www.mma.gov.br/responsabilidade-socioambiental/a3p/boas-praticas

 Inscrição                                                                
Qualquer organização pública ou privada poderá inscrever, de forma gratuita e voluntária, até 2 (duas) boas práticas já implementadas em cada um dos 11 temas citados, por meio do formulário disponível emhttp://www.mma.gov.br/responsabilidade-socioambiental/a3p/boas-praticas. Para cada iniciativa deverá ser preenchido um novo formulário.

 Prazo de inscrição                                                 
A partir desta data até o dia 23 de novembro de 2018 às 23:59

 Critérios de seleção                                              
Para seleção das boas práticas será utilizado um sistema de avaliação embasado nos 3 pilares temáticos de sustentabilidade (ambiental, social e econômico) que contém 15 indicadores. Estes critérios estão disponíveis para download na introdução do formulário de inscrição.

 Dúvidas                                                
Envie e-mail para O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. (Rafael Jó Girão - consultor MMA/ONU Meio Ambiente)


Parceria entre o Ministério do Meio Ambiente, através do programa Agenda Ambiental na Administração Pública (A3P), e o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (ONU Meio Ambiente) busca identificar e divulgar boas práticas para a administração pública brasileira. O objetivo é auxiliar prefeitos, secretários e outros gestores públicos a implementarem programas de sustentabilidade nos seus órgãos.

O processo de seleção ocorrerá através da chamada pública “Boas práticas A3P”, que receberá a inscrição de iniciativas (práticas, projetos, programas e políticas) em execução ou finalizadas e já apresentem resultados positivos concretos.
Podem se inscrever - gratuitamente - órgãos públicos do Executivo, Legislativo e Judiciário, instituições de ensino e pesquisa, empresas públicas e privadas, cooperativas e organizações não governamentais. No caso das empresas privadas, serão aceitas iniciativas implementadas. No geral, as iniciativas precisam, necessariamente, ser relacionadas aos seguintes temas: 1. Uso racional da água; 2. Uso racional da energia e eficiência energética; 3. Tecnologia da informação aplicada à sustentabilidade; 4. Tecnologia de equipamentos; 5. Uso racional da madeira; 6. Gestão de resíduos sólidos; 7. Uso do papel; 8. Qualidade de vida dos servidores; 9. Mobilidade/transporte; 10. Compras/licitações sustentáveis; 11. Construções sustentáveis.

Ao final do estudo, as 20 melhores práticas de cada tema serão disponibilizadas no site do Ministério do Meio Ambiente. Também será possível acessar listas de instituições, ONGs, universidades e departamentos que atuam com os temas apontados, além de bibliografia com livros, filmes, revistas, jogos digitais, sites e perfis de redes sociais de referência.

As inscrições gratuitas estão abertas até o dia 23 de novembro de 2018 e podem ser realizadas no site http://www.mma.gov.br/responsabilidade-socioambiental/a3p/boas-praticas.