Os chineses têm buscado solucionar o desafio de continuar crescendo e ao mesmo tempo diminuir as emissões de gases poluentes. Pelos próximos dois anos, o país tem a ambição de gerar 100 gigawatts de energia solar, uma quantidade suficiente para iluminar mais de 30 milhões de residências. Até 2030, a energia produzida por fontes renováveis na China deve atingir 20% do total – contra os atuais 13%.

A China tem a expectativa de se tornar a próxima superpotência de energia limpa. O país já é o maior investidor mundial de energia renovável, tendo feito um aporte de US$ 126,6 bilhões (cerca de R$ 488,1 bilhões, em valores atuais) no setor no ano passado, uma alta de 30% em relação ao ano anterior.

Na comparação com o resto do mundo, os projetos chineses dominaram a expansão global da capacidade de geração renovável ao longo de 2017, que somou 157 gigawatts em novas usinas ao redor do mundo, mais que o dobro do crescimento dos combustíveis fósseis, mostrou um relatório feito com apoio da Organização das Nações Unidas (ONU).

+++Energia solar avança no Brasil e atrai empresas

Desse total, 98 gigawatts em capacidade solar foi adicionado ao redor do mundo em 2017, com a China contribuindo com mais de metade desse acréscimo de capacidade de produção, ou 53 gigawatts.

Leia mais em Estadão

PARIS (Reuters) - French water and waste group Veolia has opened what it says is Europe’s first recycling plant for solar panels and aims to build more as thousands of tonnes of ageing solar panels are set to reach the end of their life in coming years.

The new plant in Rousset, southern France, has a contract with solar industry recycling organization PV Cycle France to recycle 1,300 tonnes of solar panels in 2018 - virtually all solar panels that will reach their end of life in France this year - and is set to ramp up to 4,000 tonnes by 2022.

“This is the first dedicated solar panel recycling plant in Europe, possibly in the world,” Gilles Carsuzaa, head of electronics recycling at Veolia, told reporters.

The first ageing photovoltaic (PV) panels - which have lifespans of around 25 years - are just now beginning to come off rooftops and solar plants in volumes sufficiently steady and significant to warrant building a dedicated plant, Veolia said.

Up until now, ageing or broken solar panels have typically been recycled in general-purpose glass recycling facilities, where only their glass and aluminum frames are recovered and their specialty glass is mixed in with other glass. The remainder is often burned in cement ovens.

In a 2016 study on solar panel recycling, the International Renewable Energy Agency (IRENA) said that in the long term, building dedicated PV panel recycling plants makes sense. It estimates that recovered materials could be worth $450 million by 2030 and exceed $15 billion by 2050.

Leia mais em Reuters


Encarada durante anos como geração complementar e oportunidade de marketing verde, a energia solar já está no centro do plano de negócios de grandes fornecedoras e distribuidoras de energia. E não só de usinas vive o setor.  Acionados por financiamentos com juros até um décimo dos de mercado, o azul neon dos paineis fotovoltaicos também se espalha pelos telhados das casas brasileiras, incrementando a participação da micro-geração no setor, hoje 17% do total. Os movimentos dos grandes e pequenos fizeram a capacidade instalada do setor crescer 33% só nos primeiros cinco meses de 2018, alcançando 1,571 GW em maio. Até o final do ano, a Associação Brasileira de Energia Solar (ABSOLAR) prevê que o setor alcance os 2,4 GW, aumento anual de 103%. As usinas nucleares Angra I e II têm capacidade instalada de 2 GW. 

Embora encham os olhos, essas taxas de crescimento se devem à pequena base de comparação. Em número absolutos, a energia solar ainda engatinha e representa 0,75% da matriz energética do Brasil. De acordo com estimativas conservadoras, porém, essa participação deve chegar a 10% em 2030. 

O biênio 2017-2018 tem sido fundamental porque marca o início das operações de projetos vencedores nos três leilões de energia de 2014, que contemplaram o setor. Ainda houve uma licitação no fim de 2017 e agora, em abril, o que levou o total de energia contratada para 4,5 GW. Isso garantirá o bom ritmo de crescimento do setor. 

Leia mais em JB