A Enel, por meio de sua subsidiária de energias renováveis Enel Green Power Brasil Participações Ltda. (“EGPB”), iniciou operação de seu parque solar Horizonte (103 MW), localizado no município de Tabocas do Brejo Velho, no estado da Bahia.

O parque solar Horizonte é composto por cerca de 330 mil painéis solares e será capaz de produzir mais de 220 GWh por ano quando estiver operando plenamente, o suficiente para atender às necessidades de consumo de mais de 108 mil residências, evitando a emissão de cerca de 129 mil toneladas de CO2 na atmosfera.

O grupo vem se destacando no mercado de energia solar no Brasil. Somente nos últimos oito meses, construiu quatro novos projetos que somam uma capacidade de 807 MW de energia solar. Entre esses projetos, está a maior usina solar fotovoltaica da América do Sul. “Confirmamos nossa liderança no setor de energias renováveis brasileiro, como reconhecido também após as recentes vitórias do Grupo nos últimos leilões. Dessa forma, estamos contribuindo para a diversificação da matriz de geração do país e para o desenvolvimento sustentável das comunidades locais”, disse Antonio Cammisecra, Responsável Global da Divisão de Energias Renováveis da Enel, Enel Green Power.

Investimento
A Enel investiu aproximadamente 110 milhões de dólares americanos na construção de Horizonte, que é financiado por meio de recursos próprios do Grupo Enel, assim como por um empréstimo de longo prazo concedido pelo Banco do Nordeste (“BNB”). O parque solar é apoiado por um acordo de compra de energia (Power Purchase Agreement, – PPA, sigla em inglês) de 20 anos com a Câmara de Comercialização da Energia Elétrica (CCEE).

Na Bahia, a EGPB já opera 706 MW de capacidade eólica e 515 MW de capacidade solar, incluindo, além de Horizonte, o parque solar Ituverava de 254 MW e o parque solar Lapa de 158 MW.

Leia mais em CicloVivo

telha solar da Tesla já foi testada, aprovada e agora está sendo comercializada em pequena escala em Fremont, na Califórnia. Além de resistente – Elon Musk garante que o produto dura mais de 50 anos! –, a tecnologia promete ser mais barata do que um modelo de telha comum.

Com tanto sucesso, a Tesla anunciou que a produção em larga escala da telha solar já tem endereço: Buffalo, em Nova York. Centenas de funcionários já foram contratados e as máquinas já foram instaladas em uma fábrica de 1,2 milhão de metros quadrados.

A meta é produzir, em telhas, o equivalente à geração de 2 gigawatts/ano, apenas nesta primeira fábrica. A Tesla ainda não revelou a quantidade de vendas que já realizou do produto, mas garante que a demanda está alta. Ia curtir ter telhas solares na sua casa?

Leia mais em http://thegreenestpost.com/tesla-comeca-producao-em-larga-escala-de-telhas-solares-que-geram-energia-solar/

AMSTERDAM, Feb 14 (Reuters) - An offshore seaweed farm in the North Sea will be turned into a large solar power farm that aims to pipe energy to the Dutch mainland in roughly three years.

The project comes at a critical time for the Netherlands, which is struggling to curb fossil fuel use and meet greenhouse gas emission targets after years of underinvestment in renewable energy sources.

After an initial pilot next year, a consortium comprising energy producers, scientists and researchers plans to ultimately operate 2,500 square metres of floating solar panels by 2021, said Allard van Hoeken, founder of Oceans of Energy, which devised the project.

The pilot, which will have 1.2 million euros ($1.48 million) in government funding, will operate 30 square meters of panels from this summer. It will test equipment, weather conditions, environmental impact and energy output.

Utrecht University will examine energy production at the offshore prototype, located around 15 kilometres (nine miles) off the coast of Dutch city of The Hague at a testing zone known as the North Sea Farm.

"In addition to removing the problem of a land shortage, there are several other benefits to building at sea, similar to those in wind energy," said solar energy expert Wilfried van Sark at Utrecht University, who is involved in the project.

"There is more sun at sea and there is the added benefit of a cooling system for the panels, which boosts output by up to 15 percent," he said.

If successful, there is plenty of space to expand the farm, unlike on the overcrowded Dutch mainland where there has been public opposition to wind turbines.

The panels will be more rugged than ordinary onshore models to account for the harsher weather conditions and tidal shifts at sea, Van Sark said.

Leia Mais em: Trust.Org