Pelo quinto ano consecutivo, os reservatórios das hidrelétricas do Sudeste/Centro Oeste estão abaixo da média histórica. Na região chove menos do que a média histórica e a capacidade de várias usinas tem se reduzido por conta do assoreamento, o acúmulo de sedimentos trazidos pelo rio que não passam pela barragem.

Segundo o Operador Nacional do Sistema (ONS), 2013 foi o último ano no qual se registrou a presença de mais água do que a média histórica dos reservatório. Em 2014, ano da crise de água de São Paulo, os reservatórios tinham apenas ⅔ da média. Só não faltou luz porque havia termelétricas suficientes para sustentar a demanda.

De lá para cá, o nível dos reservatórios oscila em torno de 80% da média histórica. Além das térmicas, a brutal recessão pela qual passou o país afastou o risco de apagões.

A situação no Nordeste só não é pior por conta da expansão das eólicas nos litorais do Rio Grande do Norte e do Ceará e no interior da Bahia.

Leia mais em ClimaInfo

Nike Sneakers team