Guarde na memória a imagem acima. No futuro — e ele começa em poucos anos —, algumas cidades estarão livres de motoristas engarrafados. Dependência de combustível? Já era. Carros, caminhões e motos movidos a gasolina, etanol e diesel vão sumir. As ruas terão uma frota muito menor de veículos, autônomos e elétricos. No ar, drones, muitos drones. Achou exagero? Saiba o que mais vem por aí

A greve dos caminhoneiros ressuscitou pesadelos do passado, como inflação diária, postos sem gasolina e prateleiras vazias. Por outro lado, calou motores, estimulou a vida a pé, deixou o céu mais claro e limpo. Em São Paulo, a poluição caiu à metade, segundo o Instituto de Estudos Avançados da USP. A falta de gasolina trouxe a visão de um futuro que parece utópico para muitos, mas, segundo especialistas, já está próximo: as cidades sem carros.

Para o arquiteto e urbanista Washington Fajardo, a crise foi um alerta — de despertador:

— A paralisação dos caminhões é a manifestação da queda de um Brasil antigo, pensado no século XX. Precisamos acordar e entrar em outra agenda, que o mundo já está seguindo.

Leia completo em O GLOBO.