A Eletra, principal fabricante brasileiro de sistemas de tração elétrica e híbrida para ônibus, alerta para o fato da urgente necessidade de maior participação e utilização de ônibus 100% elétricos, trólebus e híbridos na frota circulante de ônibus da Grande São Paulo. Mais veículos com tecnologias sustentáveis e renováveis evitariam grande parte dos transtornos causados com a falta de combustível e abastecimento da frota circulante de ônibus da Grande São Paulo e de todo o Brasil.

“Além de serem veículos não poluentes e que utilizam tecnologias limpas e de fontes renováveis, os ônibus elétricos a bateria e trólebus colaboram para uma matriz energética mais democrática e ampla, com ganhos para a sociedade e para o meio ambiente”, explica Iêda Alves Oliveira, diretora da Eletra e da ABVE – Associação Brasileira de Veículos Elétricos.

“Na capital paulista foi aprovada a Lei 16.802/2018 que estabelece a redução na emissão de CO2, em toda a frota de ônibus da cidade, de 50% em 10 anos e de 100% em 20 anos. Podemos fazer uma análise comparativa entre as metas estabelecidas na lei e o drama que vivemos hoje e constataremos que os benefícios da lei vão além das questões ambientais e de saúde. As questões econômicas e de segurança operacional são partes agregadas ao cenário positivo com a diversidade da matriz energética no transporte coletivo das grandes cidades”.

A Eletra espera que as metas estabelecidas para a cidade de São Paulo sejam referência para que outras cidades no país passem a adotar políticas que estabeleçam condições concretas para a maior utilização de ônibus elétricos a bateria, trólebus e elétricos híbridos.

Segundo Iêda Alves Oliveira, os benefícios e vantagens da mobilidade elétrica e híbrida para o meio-ambiente podem ser sentidos imediatamente com a utilização de tecnologias como:

Trólebus – Ônibus elétrico cuja energia vem de rede aérea. Os mais modernos possuem uma autonomia operacional com baterias que permite o deslocamento por até 20 km sem rede.

Leia mais em Envolverde