Política Externa do Amanhã:

Desafios e perspectivas para o Brasil nos próximos anos

24 de novembro de 2017 | 15h às 18h
Museu do Amanhã, Rio de Janeiro


14h15 às 15h00 – Credenciamento dos participantes (45 minutos)

15h às 15h15 – Abertura (15 minutos)

  • Embaixador Gelson Fonseca Jr.
    Conselho Curador, CEBRI
  • Jan Woischnik
    Representante no Brasil, KAS

15h15 às 16h45 – Prioridades para a política externa do amanhã (1h30 minutos)

Moderadora: Patrícia Campos Mello (Reporter Especial e Colunista, Folha de S. Paulo)


Discurso introdutório

  • Matias Spektor
    Professor, Centro de Relações Internacionais do CPDOC/FGV

  • O Brasil na América Latina e as consequências da crise da Venezuela para o país 
    Andrea Ribeiro Hoffmann 
    Professora do IRI, PUC-Rio

 

  • Perspectivas sobre a Relação Brasil-China
    Tatiana Rosito

    Representante Chefe, Petrobras China e Senior Fellow do CEBRI

 

  • Articulações internacionais para lidar com o problema da mudança climática
    Suzana Kahn Ribeiro

    Professora, COPPE-UFRJ

  • A Política Externa com foco em resultados
    Eduardo Mello
    Professor, Centro de Relações Internacionais do CPDOC/FGV

  • Desafios no comércio exterior
    Karla Borges
    Sócia, Borges & Lima Sociedade de Advogados

    16h45 às 17h45 – Debate (1h)

    17h45 às 18h – Encerramento (15 minutos)

 

Seminário Política Externa do Amanhã

Fundo Verde apresenta seus principais projetos e perspectivas de ações sustentáveis em um vídeo institucional.

Após dois anos de operação efetiva, o projeto Fundo Verde de Desenvolvimento e Energia para a Cidade Universitária apresenta suas principais ações em operação ou em processo de implementação. São apresentadas também as perspectivas de economia de recursos naturais e financeira para a UFRJ, e dados de caracterização do campus da Cidade Universitária.

clipping fundo verde institucional

Veículo: Band News

Chegou ao fim em Paris a COP21, a conferência da ONU que discutiu formas de frear as mudanças climáticas. O acordo final da cúpula é considerado histórico porque é o primeiro aceito pelos 195 países participantes. O âncora Nelson Gomes conversou por Skype com Suzana Kahn, professora especialista em Meio Ambiente e ex-representante da ONU em mudanças climáticas para discutir este acordo.

acordo sobre aquecimento